Desafio Literário (Outubro) – Estigmas

estigmas098

Grafic Novel.

E com isso iniciamos o mês de outubro no desafio literário.

Há muitos anos, vi uma resenha na Folha de São Paulo, sobre um livrinho de dois autores. A crítica fazia elogios a obra “Estigmas’. Como sou uma compulsiva, tive que comprar.

A surpresa começou assim que vi a primeira página, já que o tal livro era composto por figuras. Na época comecei a ler, por falta de tempo e maturidade, logo abandonei a leitura. Mas o DL chegou e me fez abrir as páginas mais uma vez.

Composto por três capítulos, a obra conta com os desenhos do genial Lorenzo Mattotti que casa perfeitamente com a escrita suave e lírica do romancista Claudio Piersanti.

Não é que gostei?

O livro fala de um bêbado que por obra de algo recebe estigmas, é tratado como santo, louco, e animal, para no final, alcançar a verdadeira iluminação. No seu caminho dilúvios, perdas, e mortes.

Na morte ele encontra seu único conforto, entre os mortos seus amigos. Em sua cova reconhece seus iguais e por isso sente carinho por todos que adentram no sono eterno. O livro me fez pensar do porquê que temos carinho pelos que a carne já não é habitada, do motivo dos velórios, flores e lápides pomposas. Será que sentimos saudade e afeto? Ou temos certeza de um destino e por isso criamos uma compaixão pela morte?

Para o personagem, ele é a morte. Seus estigmas trazem a dor, sangram na alma. Ele morre para o mundo para renascer, como uma fênix. E como um pássaro traz os restos da esperança, simplesmente para dar aos que veem na morte a certeza da vida.

Publicado em Desafio Literário | Marcado com | 1 Comentário

Para o Ego/Ouvidos – Hungry Ghosts e Chão

Sem muito o que dizer. Só uma fotinho e uma banda.

 

Publicado em Para O Ego, Para Os Ouvidos | Marcado com , , , | 4 Comentários

Desafio Literário (Setembro) – Crônicas de Luz e Sombras

Olá desafiantes do vasto império mitológico. Setembro está repleto de criaturas fantásticas e Deuses interessantes.
E no mês da mitologia, a minha escolha foi um tanto surpreendente. Li o livro Olam, que fala um pouco sobre a mitologia hebraica. Para todos que acham que essa se baseia em religiosidades, podem se surpreender com o complexo universo da terra de Israel.
A obra em si mostra o básico da qualquer romance épico. Um menino humilde descobre seu papel em um mundo no abismo das guerras. Para isso, outros clichês são empregados, como a princesa linda, a filha do comerciante, o cavalheiro e os sábios. Mas não se prendam nessa fórmula batida dos pós- Tolkien. Veja a diversidade das terras e o rico folclore.
Vou explicar sobre as shoham, que são pedras que retém diferentes energias, podendo até mesmo guardar conhecimento, pergaminhos, fazer ligações e filmar vídeos. Sim isso mesmo, uma shoham é o smartphone perfeito. E pensar que os hebraicos já tinham inventado isso antes do badalado Steve Jobs.
O mais interessante sobre essas pedras, é que elas seriam o motivo dos sacerdotes usarem joias em suas vestimentas, ou vocês achavam que eles só queriam ficar bonitos diante do espelho?
Esse é apenas um ponto do livro que me fascinou. Outra ressalva serve para os cenários e seres.
Além disso a cultura em si é simplesmente fantástica. Porém, aviso que não é um livro “convidativo”. A estória apresenta certos lapsos o que prejudica bastante a leitura, além da linguagem ser cansativa ( conheço uma pessoa que também não gostou do mapa).
Resumindo, não é uma obra perfeita. No entanto vale a leitura, pois sempre é bom conhecer uma mitologia tão esquecida quanto seu povo.

• Impossível Ler esse livro e deixar de pensar no Adso Von Melk vendo o portal da abadia pela primeira vez, vejo que o Umberto Eco pesquisou muito sobre o folclore hebraico para escrever “ O Nome da Rosa”.

Publicado em Desafio Literário | Marcado com | 4 Comentários

Para os Ouvidos – Cinematic Orchestra

Para os que ainda insistem em visitar esse canto abandonado.

Publicado em Para Os Ouvidos | Marcado com | 3 Comentários

Para os ouvidos/olhos – Ramin Djawadi

Eu sou apaixonada por trilhas sonoras.

Não sei explicar essa fascinação por músicas que muitas vezes servem apenas de fundo para a obra principal que são as imagens. Mas eu considero  que as trilhas são a alma da projeção.

Hoje vim até aqui por causa de uma trilha que chamou a minha atenção, a do seriado Game Of thrones. Não conhece? veja a abertura:

O compositor dessa trilha é o Alemão-Iraniano Ramin Djawadi.

Nada mau, né meninas?

O moço não é fraco não. Já teve duas indicações ao Grammy, além disso, é o responsável pelas trilhas de séries como Prison Break  e de filmes como Iron Man.

Mas e vocês, qual a sua trilha preferida?

Publicado em Para Os Olhos, Para Os Ouvidos | Marcado com , , | 4 Comentários

Para o Ego – Cacau

Não é novidade que eu sou apaixonada por animais. Essa é a Cacau, coisa mais linda do mundo, uma labradora que deixa o Marley no chinelo.

Publicado em Para O Ego | Marcado com , , | 7 Comentários

Desafio Literário (Agosto) – O Iluminado

O tema desse mês é terror. E para tanto temos livros de todo tipo e para todos os gostos. Existem aqueles que gostam de fantasmas, de vampiros, de lobisomens ou de tudo isso junto.

Mas o Iluminado, não é um livro de fantasmas. É um livro de lembranças.

Com uma história bem construída, Stephen King nos leva para os fatos que construiram um hotel. Um lugar com uma bagagem de ódio e terror, pulsando , com pensamentos voltados para fazer o mal. E esse lugar tem o seu passado, pois tudo, inanimado ou não, tem esqueletos no armário.

Eu morei em um hotel por um ano inteiro. O lugar era muito agradável, com suas cortinas pomposas e sua linda mesa de café da manhã. E tudo estava bem. Mas um dia eu comecei a me perguntar, quem dormiu nessa cama? quem passou por aqui?. Hoje percebo que eu mesma poderia ter escrito meu conto de terror, pois me hospedei no andar 13, ao lado da suite presidencial, que mais tarde descobri ter sido o local de uma morte.

Um malabarista ia se apresentar na cidade, e o hotel naqueles tempos era o edifício mais alto. E não é que o Homem Sagui, modo o qual ele era chamado, caiu lá do 13º andar? A corda de seu show arrebentou. Depois disso, dizem que o fantasma do malabarista ficava rondando o meu quarto e a suite presidencial. Sinceramente? nunca vi nada.

Voltando do devaneio de minhas próprias lembranças que fizeram o meu passado, os fatos fizeram o hotel Overlook de King.

E esse é o ponto principal da estória de o Iluminado, as lembranças de um lugar afetam os seres viventes. E eles querem se unir às vibrações que freneticamente os intuem a fazer coisas ruins.

Os personagens principais são Jack Torrance, um escritor desempregado, que vê a chance de um emprego em um grande hotel, Wendy Torrance, esposa complexada com a mãe , e  Danny Torrance, uma criança muito inteligente com pensamentos extra-sensoriais. Juntos eles enfrentarão a solidão e a loucura, presos no Overlook Hotek, durante um inverno inteiro, onde Jack é zelador.

Eu me surpreendi com o livro. Nunca gostei de Stephen King, principalmente por ver as obras dele em filmes como IT , e Potergeist. E comecei a gostar menos quando descobri que ele não tinha gostado da versão de Kubrick para a adaptação de O Iluminado. Mas o livro se mostrou muito mais a versão do filme de 1980, do que a série digirida pelo King em 1997( por sinal ao meu ver grotesca, com efeitos do trash anos 80).

Muitas vezes fica difícil distinguir os pensamentos dos personagens das vozes do hotel, e achei isso interessante, pois nos leva a uma confusão instintiva de se viver lá dentro.

E eu nunca moraria no Overlook, e duvido muito que gostaria de voltar a morar em um hotel.

Publicado em Desafio Literário | 16 Comentários